terça-feira, 24 de março de 2009

ONG vê risco para exercício do jornalismo no Brasil

Diuân é um aluno esforçado, sempre presente, curioso, como todo bom jornalista. É dele a colaboração abaixo que serve de alerta para todos nós. O texto, de Sérgio D´Avila, foi publicado na Folha de S.Paulo de hoje, dia 24 de março de 2009.

O Brasil está entre os 14 lugares mais perigosos do mundo para o exercício da profissão de jornalista, junto de países em guerra, como Iraque e Afeganistão, ou que passam por conflitos civis, caso de Serra Leoa e Somália. A conclusão é do CPJ (Comitê para a Proteção dos Jornalistas), que acaba de divulgar seu levantamento anual.

É o Índice da Impunidade, que elenca os países em que os jornalistas são mortos com regularidade e em que o governo falha ao tentar solucionar os crimes. Em seu segundo ano, traz o Brasil em 13º lugar, à frente da Índia (quanto mais elevada a colocação, piores as condições). Os líderes são Iraque, Serra Leoa, Sri Lanka, Somália e Colômbia.

Para chegar ao ranking, a ONG baseada em Nova York, que defende a liberdade de imprensa no mundo inteiro, divide o número de casos não resolvidos de assassinatos de jornalistas por milhão de habitantes no período de 1999 a 2008. Só entram na lista países com cinco ou mais casos; são considerados não resolvidos os que não resultaram em condenações.

É a estreia do Brasil na lista. "Embora as autoridades brasileiras tenham sido bem-sucedidas em promover ação penal contra alguns assassinos, esses esforços não diminuíram a alta taxa do país de violência mortal contra a imprensa", diz o texto, segundo o qual alguns "jornalistas cobrindo crime, corrupção e política local" encontraram "consequências brutais".

O CPJ afirma que houve cinco assassinatos de jornalistas não resolvidos na última década no Brasil. O relatório cita o de Luiz Carlos Barbon Filho, que em 2003 denunciou um esquema de aliciamento de menores que envolvia vereadores de Porto Ferreira (SP) e foi morto em maio de 2007 num bar da cidade. "Cinco homens, entre eles quatro policiais, estão sendo julgados", diz o CPJ.
Brasil, Colômbia e México são os únicos latino-americanos do ranking, de resto dominado por países do sul da Ásia. Mesmo em zonas de guerra, como Iraque e Afeganistão, é mais provável que o jornalista seja assassinado em decorrência do assunto que cobre no momento que durante combate ou vítima de fogo amigo, diz o comitê.

Um comentário:

  1. Cláudio abramo diz que "o jornalismo é a prática diária da inteligência e o exercício cotidiano do caráter"! Ele tem toda a razão!
    É triste saber que fazemos parte de um ranking nada positivo... Mas sabe, acredito que todo o risco vale à pena quando se pode transformar a sociedade!!!
    Abraços Ayne!

    ResponderExcluir