domingo, 23 de agosto de 2009

O cinema de Glauber

Recebi e-mail da acadêmica Fabrícia Lopes, 6o. semestre de Jornalismo na Toledo de Araçatuba, que reproduzo abaixo por acreditar ser de interesse de todos aqueles que gostam de cinema, mas, principalmente, de todas as pessoas - inclusive jornalistas - que querem aumentar sua bagagem cultural. Espero por vocês lá.

Glauber Rocha será tema de discussões


O SESC Birigui dá continuidade ao projeto “A Hora do Ócio”, em agosto com um programa especial sobre o cineasta Glauber Rocha.
Nesta segunda edição, o projeto que exibe curtas-metragens para universitários que ficam ociosos enquanto esperam o transporte público para voltar para casa, apresenta o programa “Em Torno de Glauber”, com três vídeos sobre a vida e obra do diretor baiano.
As obras apresentadas buscam desconstruir o mito Glauber Rocha, mantendo suas propostas de linguagem e estética.
As sessões gratuitas acontecem nos dias 24, 25 e 26 de agosto, sempre às 22h, no Laboratório de Rádio do Unitoledo, com mediação do jornalista Diego Assunção, especializado em crítica de cinema.

Em Torno de Glauber
Nascido em 14 de março de 1939, na Bahia, Glauber Rocha foi um cineasta controvertido e incompreendido no seu tempo, além de ter sido patrulhado tanto pela direita como pela esquerda brasileira. Ele tinha uma visão apocalíptica de um mundo em constante decadência e toda a sua obra denotava esse seu temor.
Glauber faleceu em 22 de agosto de 1981 vítima de septicemia, ou como foi declarado no atestado de óbito, de choque bacteriano, provocado por broncopneumonia que o atacava há mais de um mês. Residia há meses em Sintra, cidade de veraneio portuguesa, e se preparava para fazer um filme, quando começou a passar mal.
Glauber de Andrade Rocha foi um dos integrantes mais importantes do cinema novo, movimento iniciado no começo dos anos 1960.

Agende-se:
A Voz do Morto (1999)
A trajetória de Glauber Rocha.
Dia 24 de agosto (segunda-feira)
Breve currículo: 17º Guarnicê de Cine-Video do Maranhão, onde recebeu o prêmio de Melhor Trilha Sonora Adaptada.
Direção: Vitor Ângelo / Gênero: Documentário / Duração: 13 minutos.

Memória de Deus e do Diabo em Monte Santo e Cocorobó (1984)
Dia 25 de agosto (terça-feira)
Os caminhos percorridos pelo cineasta durante as filmagens de “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, dirigidos pela ânsia de despertar a consciência dos homens e promover a liberdade.
Breve currículo: Prêmio Melhor Filme de Ficção no X Festival de Cinema da Bahia.
Direção: Agnaldo Siri Azevedo / Gênero: Documentário/ Duração: 11 minutos.

A Degola Fatal (2004)
O documentário mostra o funeral do cineasta narrado por ele mesmo.
Dia 26 de agosto (quarta-feira)
Breve currículo: Premiado na 3ª seleção de Curtas da Petrobrás 2003.
Direção: Clóvis Molinari Junior e Ricardo Favilla / Gênero: Documentário/ Duração: 13minutos.

SERVIÇO - As exibições acontecem nos dias 24, 25 e 26, às 22h, no Laboratório de Rádio do Unitoledo (Rua Afonso de Toledo, 595, Jardim Sumaré). Grátis. Apoio cultural: DCE João Amazonas e Unitoledo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário