sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Novo encontro de blogueiros

O secretário de Cultura de Araçatuba, o professor Hélio Consolaro, marcou para o próximo dia 20, às 20h, na Casa da Cultura "Adelino Brandão" (rua Anita Garibaldi, 75Centro) um encontro entre blogueiros da cidade e região. Ele quer conversar, discutir ideiais, melhorar esta mídia livre. Estão todos convidados!

Perguntar ofende

Existe um livro com este título. É bem legal. Mostra algumas perguntas idiotas feitas por coleguinhas que não se preparam para as entrevistas e ... viram motivo de piada. Não poderia ser diferente.
O texto abaixo é uma contribuição da amiga e companheira do Jornal de Jales, Maria de Lourdes Parra, uma das melhores redatoras com quem tive o prazer de trabalhar.
É claro que não passa de uma brincadeira dela, mas precisamos cuidar para não repetir, na profissão, perguntas imbecis como as lembradas abaixo. Porque quem pergunta o que quer, pode ouvir o que não quer.
A proposta da Lurdinha é de TOLERÂNCIA ZERO para com estas pessoas e profissionais. Vejam se concordam com ela e depois comentem qual a sua pergunta idiota preferida:


1. Quando te vêem deitado, de olhos fechados, na sua cama, com a luz apagada e te perguntam:
- Você tá dormindo?
- Não, to treinando pra morrer!

2. Quando a gente leva um aparelho eletrônico para a manutenção e o técnico pergunta:
- Tá com defeito?
- Não, é que ele estava cansado de ficar em casa e eu o trouxe para passear.

3. Quando está chovendo e percebem que você vai encarar a chuva, perguntam:
- Vai sair nessa chuva?
- Não, vou sair na próxima.

4. Quando você acaba de levantar, aí vem um idiota (sempre) e pergunta:
- Acordou?
- Não.. Sou sonâmbulo!

5. Seu amigo liga para sua casa e pergunta:
- Onde você está?
- No Pólo Norte! Um furacão levou a minha casa pra lá!

6. Você acaba de tomar banho e alguém pergunta:
- Você tomou banho?
- Não, mergulhei no vaso sanitário!

7. Você tá na frente do elevador da garagem do seu prédio e chega um que pergunta:
- Vai subir?
- Não, não, to esperando meu apartamento descer pra me pegar.

8. O homem chega à casa da namorada com um enorme buquê de flores. Até que ela diz:
- Flores?
- Não! São cenouras.

9. Você está no banheiro quando alguém bate na porta e pergunta:
- Tem gente?
- Não! É o cocô que está falando!

10. Você chega ao banco com um cheque e pede pra trocar:
- Em dinheiro? ?
- Não, me dá tudo em clipes e borrachinhas.

Ainda quero viver em um mundo onde a caneta vencerá a espada...


Assistindo às barbaridades que têm acontecido no Senado, tenho duas sensações: uma, mais covarde, confesso, é de comprar um barquinho, colocar minha família dentro, e viajar pelo mundo, sem destino e sem data pra retornar. A outra é tentar mudar o fluxo das coisas. Mas só tenho a caneta. E eles têm a espada...O que fazer?
Enquanto me decido, acompanhem mais uma verdade escondida:

Sarney já quis calar Jornal do Brasil como conseguiu agora com o Estadão


O atual presidente do Senado, José Sarney, disse em sua defesa que nunca processou jornalistas. Usando de um neologismo, posso dizer que ele "faltou com a verdade". Segundo notícia do Comunique-se veiculada hoje, ele moveu três ações contra o Jornal Pequeno, do Maranhão, e uma contra o colunista do Estadão, João Mellão Neto, deputado por São Paulo. Em 1994, "o senador processou o Jornal do Brasil pela publicação de matérias sobre suas propriedades, máfia dos anões do Orçamento e denúncias de corrupção". Sarney acusou o veículo de campanha infame contra ele. Mas o jornal ganhou a causa com a seguinte defesa:
“Não foi o ’Jornal do Brasil’ quem o feriu e magoou. Foi a sua própria conduta improbidosa, o seu desdém pela justificação dos seus atos, o seu comportamento, ora ostensivamente ilícito, ora no mínimo nebuloso (...) ao invés de fingir-se ultrajado, como nunca se sentiu realmente, tanto que se absteve de defender-se e explicar-se, de vir à luta contra todos os órgãos de imprensa, que se viram forçados a não ocultar do público os seus desmandos, os seus abusos, o seu descaso pelos deveres de bem governar...”.