domingo, 22 de agosto de 2010

De volta

Com a ajuda de alunos do curso de jornalismo do Centro Universitário Toledo de Araçatuba, este blog será alimentado com mais frequência a partir de agora. Obrigada desde já. Fiquem com a colaboração da querida Angélica Neri:


Definições sobre Jornalismo Ambiental

O Jornalismo Ambiental, com um desenvolvimento marcante nos últimos anos, em função da inclusão da Ecologia como pauta diária nos veículos de informação, compreende a divulgação de fatos, processos, estudos e pesquisas associadas à preservação do meio ambiente e da diversidade.
No Brasil, ele se manifesta nos veículos tradicionais (jornais e revistas de circulação nacional), mas também a partir de iniciativas relevantes, como o premiado Jornal do Meio Ambiente, de Vilmar Berna, e do Terraamérica, comandado, no Brasil, pela competente equipe da Envolverde.
Inúmeras ONGs ambientalistas também o praticam e pode se identificar, nesta modalidade de jornalismo, o caráter positivo da militância, isto é, quando identificado com a causa ambiental (e deveria ser sempre assim), o jornalismo ambiental é engajado, comprometido, o que não significa que deva forjar os fatos ou manipular a verdade para fazer valer a sua opinião. É importante não deixar de mencionar o Greenpeace, a WWF e a SOS Mata Atlântica, como representantes deste universo e, a partir delas, reverenciar todas as outras entidades que vêm fazendo, com competência e entusiasmo, este trabalho.
Recentemente, polêmicas travadas em virtude de alguns temas candentes, como os transgênicos, a biopirataria como ameaça à diversidade e à soberania nacionais, o aquecimento global (efeito estufa e subtemas equivalentes) e a segurança alimentar (que o diga a vaca louca!) trouxeram novo impulso ao Jornalismo Ambiental.
O Jornalismo Ambiental e o Jornalismo em Agribusiness tem áreas de intersecção importantes, mas não se confundem: o primeiro refere-se também a temas que, em princípio, nada tem a ver com o agronegócio, como a questão do lixo urbano, a poluição industrial, os edifícios doentes e assim por diante. Quando recorre a temas, como transgênicos, agrotóxicos, desmatamento, segurança alimentar, evidentemente as diferenças, entre um e outro, são menos perceptíveis, embora o Jornalismo Ambiental veja estas questões sempre sob uma perspectiva crítica, o que pode não ocorrer no Jornalismo em Agribusiness, se comprometido com os interesses das grandes empresas.
O Jornalismo Ambiental tem uma atuação fundamental na Web e podemos destacar, também, o grupo de colegas atuantes no ECOM - Ecologia & Comunicação, a equipe da Embrapa Meio Ambiente, com sua atuação e seu informativo sempre atualizado, e inúmeros colunistas (Jornal do Brasil, O Povo/CE), além da menção especial ao Caderno Especial sobre Meio Ambiente, editado pelo Estado de Minas, também disponível na Web. Com certeza, estamos aqui omitindo inúmeras iniciativas e um sem número de colegas, atuantes e competentes, que praticam o Jornalismo Ambiental, mas elas poderão ser gradativamente recuperadas no site da Comtexto, onde vão, pouco a pouco, sendo incluídas.


Retirado do site
http://www.jornalismocientifico.com.br/jornalismocientifico/conceitos/jornalismoambiental.php

http://www.agricoma.com.br

Um comentário:

  1. A proposta do Jornalismo Ambiental é muito interessante. O profissional da comunicação tem que estar consciente de que aquilo que ele produz terá um retorno, um resultado (positivo ou negativo).

    Gostei muito de conhecer um pouco mais sobre esta especialização jornalística. Nós, enquanto comunicadores ou simplesmente cidadãos, podemos fazer a diferença por meio de pequenos gestos.

    Precisamos agir "hoje". O "amanhã" será só consequência...

    ResponderExcluir