terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Governo x imprensa, governo e impresa

‘Um governo deve saber conviver com as críticas dos jornais’, diz Dilma



Presidente discursou na comemoração dos 90 anos da ‘Folha de S.Paulo’.

A presidente da República, Dilma Rousseff, defendeu nesta segunda-feira (21), durante a comemoração dos 90 anos do jornal “Folha de S.Paulo”, a liberdade de imprensa. “Uma imprensa plural e investigativa é imprescindível para um país como o nosso. Um governo deve saber conviver com as críticas dos jornais para saber conviver com a democracia”, disse a presidente.

Dilma encerrou os discursos na cerimônia, que ocorreu na Sala São Paulo, na capital paulista. Ela chegou por volta de 21h, e alguns minutos depois o evento começou.

A presidente relembrou o período da ditadura, no qual chegou a ser presa, e afirmou que o país precisa “conviver de forma civilizada” com a liberdade de opinião.

“Quando saímos da ditadura, consagramos a liberdade de imprensa e rompemos com aquele passado, que tornou a censura pilar de atividade que afetou profundamente a imprensa brasileira. (...) O amadurecimento da consciência cívica faz com que tenhamos que conviver civilizadamente com diferentes opiniões. Ao comemorar os 90 anos do jornal, estamos celebrando a liberdade de imprensa no Brasil. (...) Reafirmo, nos 90 anos da ‘Folha de S.Paulo’, meu compromisso inabalável com a garantia plena das liberdades democráticas, entre elas, a liberdade de expressão.”

Ela encerrou o discurso, de cerca de 10 minutos, novamente falando da época da ditadura: “Reitero sempre que, no Brasil de hoje, nesse Brasil com democracia tão nova, todos devemos preferir os sons das vozes criticas ao silêncios das ditaduras.”

Fonte:
Mariana Oliveira

Do G1, em São Paulo

Colômbia sediará Conferência da WAN-IFRA

A Associação Mundial de Jornais e Editores de Notícias (WAN-IFRA) promoverá o encontro nos dias 9 e 10 de março

Os principais editores de jornais internacionais e regionais estarão reunidos para tratar de questões relacionadas às últimas tendências estratégicas e operacionais para as empresas de mídia. As palestras abordarão temas como o desenvolvimento das plataformas móveis e digitais, a conquista de novos leitores, design gráfico, novidades na área de produção, dentre outros temas, havendo tradução das palestras para o português.


Estão confirmadas as participações de Raju Narisetti, diretor do Washington Post (EUA); Alex Fuentes, diretor de produtos interativos do Miami Herald (EUA), Tim Rowell, diretor de desenvolvimento de produtos móveis do grupo Telegraph Media (Grã-Bretanha). Os brasileiros Christiano Nygaard, do diretor de operações do Grupo RBS; Marcelo Benez, diretor de publicidade da Folha de S.Paulo; e Chico Amaral, diretor da Cases i Associats, também estão entre os palestrantes.

Associados à ANJ pagarão o mesmo valor que os associados à WAN-IFRA. Para ter direito à tarifa de associado, basta informar, durante a inscrição, que seu jornal é associado à ANJ. O site para obter informações detalhadas ou inscrever-se é: http://www.wan-ifra.org/events/wan-ifra-america-latina.

5º Prêmio SAE BRASIL de Jornalismo

Inscreva sua reportagem no 5º Prêmio SAE BRASIL de Jornalismo


Premiação para as melhores matérias de tecnologia da mobilidade, publicadas em mídia Impressa e Internet, somam R$ 22 mil

Se você escreve ou já escreveu sobre tecnologia da mobilidade (terrestre, aeroespacial, e naval), e sua matéria for publicada no Brasil entre 1º de janeiro de 2010 e 28 de fevereiro de 2011, em mídia impressa ou na Internet, candidate-se ao 5º Prêmio SAE BRASIL de Jornalismo.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo endereço http://www.saebrasil.org.br/eventos/premio_jornalismo/2010/intro.swf, por onde devem ser encaminhadas as reportagens, no modo PDF para a categoria ‘Impresso’ e em HTML ou PDF na categoria ‘Internet. Para realizar a inscrição deve ser utilizado o navegador Internet Explorer.

O 5º Prêmio SAE BRASIL de Jornalismo é apoiado pela Delphi Automotive Systems do Brasil. São elegíveis ao concurso matérias relacionadas ao tema da mobilidade nos modais terrestre, aeroespacial e naval, publicadas em jornais, revistas e sites com sede no Brasil, entre 1º de janeiro de 2010 e 28 de fevereiro de 2011. O número matérias inscritas por participante é ilimitado.

A comissão julgadora, composta por dois jornalistas e um representante da SAE BRASIL, fará a avaliação dos trabalhos e elegerá, em cada categoria, cinco finalistas.Os primeiros colocados em cada categoria (mídia impressa e internet) receberão R$ 7 mil em dinheiro.

Serão selecionadas ainda duas menções honrosas por categoria, contempladas com R$ 2 mil cada uma. Os demais finalistas receberão certificado de participação. Todos os prêmios são pessoais e intransferíveis, e a divulgação dos vencedores será dia 30 de março, às 19h30, na SAE BRASIL

Para Besaliel Botelho, presidente da SAE BRASIL, o Prêmio SAE BRASIL de Jornalismo entra em sua 5ª edição reafirmando o propósito de incentivar a produção de reportagens sobre os desenvolvimentos tecnológicos na área da mobilidade no Brasil, ao laurear os melhores trabalhos que tratam do tema. “É por meio da imprensa especializada que informamos a sociedade sobre os avanços da indústria e sobre as novas tecnologias”, afirma Botelho.

Mais informações à imprensa:

Maria do Socorro Diogo - msdiogo@companhiadeimprensa.com.br

Susete Davi – susete@companhiadeimprensa.com.br

Juliana Santos - juliana@companhiadeimprensa.com.br

Telefone (11) 4435-0000

Ataques à imprensa

Comitê de Proteção dos Jornalistas lança relatório sobre ataques à imprensa



CPJ divulga relatório sobre riscos aos jornalistas na América Latina.

O Comitê de Proteção dos Jornalistas (CPJ) apresentou na última terça feira, em São Paulo, um relatório dos ataques à imprensa no ano de 2010, destacando a censura imposta ao jornal O Estado de São Paulo pela Justiça do Distrito Federal .

O evento, promovido pelo CPJ e pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), tem como parte fundamental o argentino Carlos Lauría, coordenador sênior do programa para as Américas do CPJ e co-autor do relatório especial do CPJ de 2010, Silêncio ou Morte na Imprensa Mexicana, que fará a exposição do capítulo sobre o continente. O documento foi comentado pelo presidente da Abraji, Fernando Rodrigues.

A censura sofrida pelo Grupo Estado, impedido de divulgar informações sobre irregularidades praticadas pelo empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), é a abertura e um dos episódios analisados detalhadamente no texto.

Cinco jornalistas foram mortos em todo o mundo desde janeiro, um desses profissionais no dia 4, no Egito, e outro em 17 de janeiro, na Tunísia. De acordo com o documento, 145 profissionais estão presos, sem informações de como serão resolvidos seus casos.

A análise de Lauría está disponível em http://cpj.org/pt/2011/02/ataques-a-imprensa-em-2010-analise-americas.php e o relatório completo pode ser acessado em: http://www.cpj.org/2011/02/attacks-on-the-press-2010.php


Fonte: ANJ

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Mais do que amigos

Muito comum, na nossa profissão, encontramos alguns colegas com quem podemos dividir algumas informações e fontes.
Porém, na luta pelo pão-nosso-de-cada-dia, o oposto acontece com mais frequência: profissionais inseguros que não ajudam e, pior, muitas vezes atrapalham, prejudicam.
O mais raro, no entanto, é encontrar quem aceita compartilhar conhecimento. Neste ponto, sou privilegiada. Meus colegas de profissão acabam se tornando amigos. Meu agradecimento hoje é para José Marcos Taveira, editor-executivo da Folha da Região, profissional que não tem receio de dividir o que sabe, ao contrário. Obrigada, Zé! Não pela lição de Jornalismo, mas pelos ensinamentos de vida.

Ler para Crescer

Todos os esforços voltados, agora, ao Ler para Crescer, um programa de Educomunicação que estou desenvolvendo na Folha da Região de Araçatuba. Aproveito para compartilhar o link do blog, que está em construção: http://lerparacrescer.folhadaregiao.com.br/
Leia e comente. Obrigada!

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Livro sobre Educomunicação

Só uma dica: fundamental!



Fonte: Agência USP de Notícias
 
Já se encontra nas livrarias o livro Educomunicação – o conceito, o profissional, aplicação (Paulinas, 104p., R$ 22,40), do professor Ismar de Oliveira, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP. A obra busca definir o termo e explorar suas áreas de intervenção a partir de pesquisas realizadas pelo Núcleo de Comunicação e Educação (NCE) da USP.
Além disso, o livro estabelece relações e debates entre juventude, educação e práticas educomunicativas, em alinhamento com as discussões acerca da política educacional propostas pelo MEC.
O livro pode ser adquirido pelo site da editora.
Mais informações: site www.usp.br/nce/wcp/exe/public.php?wcp=/home/capa

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Veja se você pode participar

Fonte: ANJ

Prêmio Sebrae de Jornalismo abre espaço a Micro e Pequenas empresas



Jornalistas interessados em participar do Prêmio Sebrae de Jornalismo têm até o dia 5 de março para inscreverem matérias sobre micro e pequenas empresas brasileiras. Ganhadores poderão receber até R$ 25 mil em prêmios.

Segundo Maria Cândida, gerente da unidade nacional de marketing e comunicação do SEBRAE, "as micro e pequenas empresas tinham pouco espaço na grande imprensa brasileira, e era muito difícil emplacar uma história de sucesso ou uma dificuldade enfrentada por uma microempresa em jornal de circulação nacional".
A partir dessa deficiência que o Sebrae resolveu estimular as redações dos veículos de comunicação a buscarem pautas relacionadas ao tema, fundando, há quase nove anos, a Agência Sebrae de Notícias.
Os temas a serem abordados são: práticas vitoriosas em pequenos negócios; empreendedorismo; cooperação; competitividade; inovação; políticas públicas e legislação que contemplem o universo das micro e pequenas empresas. São passíveis de inscrição as categorias Jornalismo Impresso; Radiojornalismo; Telejornalismo; e Webjornalismo.
O concurso também terá duas premiações especiais e menções honrosas, entre eles: o Prêmio Especial do Júri Sebrae (para matérias sobre a pauta Inovação); Grande Prêmio Sebrae de Jornalismo; Menção Honrosa (ao trabalho de melhor imagem inscrito nas categorias de Fotojornalismo e Repórter Cinematográfico).
Os vencedores da categoria Menção Honrosa de Fotografia e Menção Honrosa de Repórter Cinematográfico receberão R$ 3 mil reais cada um. Para as outras categorias o prêmio será de R$ 12,5 mil para cada uma, sendo esse também o valor para o Prêmio Especial do Júri. O vencedor do Grande Prêmio receberá com R$ 25 mil. A entrega dos prêmios está prevista para junho.
A ficha de inscrição do Prêmio Sebrae de Jornalismo e o regulamento completo você encontra no site da premiação. Os materiais dos trabalhos podem ser enviados pelos Correios ou entregues na própria sede da revista IMPRENSA, na rua Rego Freitas, 454, conj. 61 - Centro - CEP: 01220-010 - São Paulo-SP.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Diferente

Longe de fazer propaganda para o veículo em questão, quero demonstrar, com esta matéria, que para vender mais jornais, as empresas de comunicação estão tendo que agregar outros produtos. Será que boas notícias, projeto gráfico diferenciado e novas ideias não deveriam ser suficientes?
Ou será que não devemos mais pensar isoladamente em uma mídia e criar projetos multimídia que ajudam na divulgação da cultura e do lazer, necessidades tão importantes para o homem?


Estadão em Long Play


Y&R cria ação diferenciada para divulgar a Grande Discoteca Brasileira

A capa do famoso álbum dos Titãs Cabeça Dinossauro, considerado o LP mais roqueiro dos anos 80, é a mais nova embalagem do jornal O Estado de S. Paulo. A ação criada pela agência Young & Rubicam faz parte da estratégia de divulgação da Grande Discoteca Brasileira Estadão – 25 livros + CDs com histórias, fotos e curiosidades sobre os melhores álbuns originais da música brasileira –, lançada no fim do ano passado.

Desde o último domingo, alguns assinantes da Grande São Paulo vão receber uma edição do jornal envelopada em uma reprodução da capa do popular vinil. O encarte traz na capa o esboço do pintor italiano Leonardo da Vinci intitulado “A expressão de um homem urrando”, primeiro título da banda Titãs a conquistar disco de ouro em 1986. Já a contracapa divulga as vantagens exclusivas de assinantes para adquirir a coleção.

A viabilização da capa do “bolachão” ficou a cargo da Gráfica Aquarela, gráfica especializada em fornecer acabamentos diferenciados. A criação é de Fabio Rodrigues e Fabio Tedeschi, com direção de criação de Wilson Mateos e Sergio Fonseca (Magrão).


Ficha técnica

Título: Os grandes álbuns da nossa música estão de volta.

Peça: Ação (capa de vinil)

Cliente: O Estado de S. Paulo

Produto: Institucional

VP de Criação: Rui Branquinho

Direção de Criação: Wilson Mateos / Sergio Fonseca

Redator: Fabio Tedeschi

Diretor de Arte: Fabio Rodrigues

Produção Gráfica: Elaine Carvalho / Rodrigo Cassino

Impressão: Aquarela

Atendimento: Sylvia Panico / Flavia Fusco / Camilla Braga

Mídia: Gleidys Salvanha / Gabriela Ben David / Rafael Leal / Raquel Mattoso

Planejamento: David Laloum / João Gabriel / Cesar Ortiz / Fernando Takey

Aprovação cliente: João Rosas / Renata Ucha

1ª Veiculação: 06/02/2011

Jornais: uma nova mentalidade

Em minha dissertação de mestrado, estudei o civic journalism, modelo pouco praticado no Brasil, mas com muitas possibilidades. Esse modelo tem características interessantes (quem quiser, pode ler o trabalho na biblioteca da Toledo ou no site da PUC/SP), uma delas é fazer o veículo participar mais da vida de cada comunidade, nos grandes centros leia-se "bairros".
Esta participação tem o objetivo imediato de ajudar aquele grupo de pessoas a resolver os problemas locais, portanto o jornal deixa de ser informativo para ser "participativo". Dependendo de como isso é feito, há desde o ganho institucional (maior credibilidade) até maior rentabilidade (a comunidade reconhece o trabalho e as assinaturas crescem, a venda de anúncios naquela região também).
Alguns veículos já estão investindo nisso, veja:

Diário de S.Paulo amplia seção 'Bairro a Bairro'


Diário de S.Paulo renova seu layout e inova nas editorias

O DIÁRIO DE S. PAULO – totalmente reformulado, com novo layout e inovadora proposta editorial – estreou no dia 1º de fevereiro a nova seção Bairro a Bairro, ampliada, agora em quatro páginas. Desde o início do projeto, a seção foi planejada para ocupar espaço maior e ser uma espécie de micro-rede de jornais de bairro, com intenso uso de internet tanto na publicação de notas no portal do jornal (http://www.diariosp.com.br/index.php?id=/bairro_a_bairro/index.php) como na busca por informações e fontes, acompanhando as redes sociais para captar as principais preocupações dos moradores em seus bairros.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Eita profissãozinha difícil!

Número de jornalistas presos é recorde em 14 anos


Comitê para Proteção de Jornalistas informa que o número de profissionais presos no mundo é o mais alto nos últimos 14 anos: 145.

O Comitê para Proteção de Jornalistas (CPJ) informou que o número de jornalistas presos no mundo é o mais alto nos últimos 14 anos, 145 no total. China e Irã são os países com maior quantidade de profissionais em cárcere, com 34 cada, informa EFE. A constante repressão de vozes críticas no Irã e a brutal supressão na China do jornalismo étnico elevaram o número de jornalistas em prisão a seu nível mais alto desde 1996, declarou a organização. Outro destaque do levantamento é a ausência dos Estados Unidos na lista, fato inédito desde 2004.
O número de 145 jornalistas previstos no início deste mês supera os 136 registrados em mesmo período do ano passado. Em 1996, foram contabilizados 185 jornalistas presos devido à repressão da Turquia contra a imprensa curda.
Sobre as detenções norte-americanas, a redução ocorre após a libertação de todos jornalistas presos anteriormente no Afeganistão, Iraque e na prisão de Guantánamo, em Cuba - único país latino-americano citado na pesquisa.
Eritreia (17), Mianmar (13) e Uzbequistão (6) completam a lista dos cinco países com maior número de jornalistas detidos. Países da África e da Ásia são a maioria no levantamento.

(Fonte: Portal Imprensa - WEB - 08/12/10)

Prepare-se!

O primeiro GP Ayrton Senna de Jornalismo foi lançado em março de 1997. Desde então, o Instituto tem premiado inúmeros jornalistas e veículos de imprensa que destacam os problemas e levam ao centro das discussões as soluções para a má qualidade da educação.


Objetivos

O GP de Jornalismo visa estimular e disseminar nas redações o conceito de que a educação é o eixo estruturador de uma sociedade, uma vez que ela tem repercussões em todas as outras áreas. A proposta é que um número cada vez maior de reportagens com foco na educação como via para o Desenvolvimento Humano seja veiculado pelos meios de comunicação.

Como funciona

De abrangência nacional e realizado a cada dois anos, o GP Ayrton Senna de Jornalismo distribui prêmios para repórteres, editores e veículos em cinco categorias: Jornal, Revista, Televisão, Rádio e Internet.
Os trabalhos são analisados em três etapas. Na primeira, profissionais da área avaliam todos os trabalhos e escolhem até 15 por categoria. Na segunda fase, um novo grupo de profissionais escolhe as cinco melhores matérias por categoria. Na terceira e última etapa, os cinco vencedores são eleitos por uma comissão julgadora integrada por jornalistas de destaque nacional, representantes de grandes veículos de comunicação e expoentes da área da educação, além de Viviane Senna, presidente do Instituto Ayrton Senna.
As etapas de seleção e julgamento são acompanhadas por um jornalista consultor e um especialista em educação do Instituto Ayrton Senna.
Saiba mais: http://senna.globo.com/institutoayrtonsenna/

Grande dica!

Dicionário de Jornalismo Juarez Bahia - Século XX


O ‘Dicionário de Jornalismo Juarez Bahia - Século XX’ apresenta 3.400 verbetes que tratam sobre Jornal; Revista; Rádio; Televisão; Livro; Propaganda; Relações Públicas; Marketing; Editoração; Computação Gráfica; Fotografia/Artes Gráficas; Papel; História; Comunicação/Linguagem; Tecnologias da Informação; Produção Cultural; Documentação; Ética e Legislação.

Sobre o autor:

Juarez Bahia foi repórter, redator, editor, correspondente internacional (Portugal, Espanha e África Austral) e editorialista do Jornal do Brasil. Escreveu artigos para o Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e revista Visão, além de ter trabalhado na implantação da TV Cultura, em São Paulo. Foi professor na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, onde editou a K-Comunicação, a primeira revista-laboratório do País.

Fonte: Editora Mauad X

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Isso é mais do que profissão, é karma

Entrevista para a Agência Brasil publicada pelo Jornal do Brasil:

Perseguição do governo egípcio é ato de desespero, diz jornalista brasileiro


Depois de serem detidos, vendados e terem os equipamentos apreendidos no Egito, o repórter Corban Costa, da Rádio Nacional, e Gilvan Rocha, da TV Brasil, conseguiram sair do Cairo e chegar hoje (4) por volta do meio-dia a Paris. Da França, Corban disse à Agência Brasil que ele e Gilvan só conseguiram dormir no voo, pois, enquanto estavam no aeroporto egípcio temiam pela própria segurança, cercados por policiais e militares armados.

Para Corban, a pressão contra o trabalho da imprensa no Egito é um ato de desespero do governo do presidente Hosni Mubarak.

Leia a seguir, os principais trechos da entrevista de Corban.

Depois dessas últimas horas, o que vem à sua cabeça?
Corban Costa - Só conseguimos relaxar de verdade, dormir e desligar do mundo, no avião, no voo do Cairo para Paris. Eu e o repórter cinematográfico Gilvan Rocha não desligamos um minuto sequer, enquanto estávamos no aeroporto no Cairo, porque havia militares e policiais por toda parte. No aeroporto no Egito, nós dois ficamos isolados outra vez.

ABr - No geral, a imprensa estrangeira denuncia a pressão do governo do presidente Hosni Mubarak para impedir a divulgação de informações e imagens. Qual sua análise sobre isso?
Corban - A impressão é de desespero por parte do governo Mubarak. Há informações de que o governo paga para que funcionários públicos e outras pessoas façam campanha em favor do Mubarak e agridam os estrangeiros. A orientação é sufocar os movimentos de protestos contrários ao governo.

ABr - Há relatos de jornalistas estrangeiros que foram agredidos, humilhados e roubados, com vocês ocorreu isso também?
Corban - Acho que tivemos mais sorte. Por exemplo, fomos presos junto com uma equipe de uma televisão francesa. Essa mesma equipe foi presa e apanhou duas vezes: uma quando estava na prisão e outra quando foi solta e parada pela fiscalização policial. Conosco isso não aconteceu. Não houve agressões verbais ou físicas na prisão nem fora dela exceto um policial que nos colocou em uma van, de maneira um pouco mais incisiva.

ABr - Mas na prisão você teve a sensação que ia morrer?
Corban - Isso passa, sim, pela cabeça porque colocam venda nos olhos, levam a gente para um lugar desconhecido, depois tiram as vendas e nos deixam a mercê da própria sorte. Ninguém fala nada a não ser um interrogatório. Passei 18 horas em uma sala mínima que não havia água nem banheiro, só duas cadeiras e uma mesa. Nessa mesma sala estavam o Gilvan e um estudante alemão, que foi preso porque fotografou a manifestação com uma máquina amadora.

ABr - Não houve agressão, mas teve pressão psicológica.
Corban - A pressão psicológica é a pior das sensações. Você não sabe onde está nem o que vai acontecer. Também não sabia nada sobre o Gilvan, que todo o tempo estava comigo, e de repente foi tirado de perto de mim, e só depois ficamos no mesmo local. De repente passa tudo na sua cabeça, eu pensava na minha família, nas minhas filhas e rezava. Rezei muito e o tempo todo.

ABr - O que os policiais queriam saber de vocês? Não houve um tratamento diferenciado porque vocês eram de uma empresa pública de comunicação?
Corban - Nós dissemos que éramos de uma empresa pública do Brasil, mas isso não mudou em nada o tratamento. Nossa missão no Egito era transmitir para o Brasil exatamente o que ocorria nas manifestações, detalhes sobre os protestos e como reagiam o governo do presidente egípcio, Hosni Mubarak, e a oposição. Enfim, toda a questão. Mas os policiais queriam saber como transmitiríamos as informações e as imagens, eu disse que era por celular e internet. Também queriam saber o tom das reportagens que fazíamos do Egito.

ABr - A Embaixada do Brasil no Egito ajudou vocês em algum momento?
Corban - O tempo todo o embaixador do Brasil no Egito, Cesario Melantonio Neto, esteve em contato conosco e nos ajudou. Ele nos orientou sobre como deixar o país, também prometeu providenciar o envio do equipamento que foi apreendido pelos policiais egípcios. Mas ele próprio reconheceu que estava com dificuldades, pois o governo Mubarak está todo desmantelado, há um caos administrativo no Egito.

Concurso

Amigos, animem-se!

Fundação Codere patrocina
I Prêmio de Jornalismo Econômico Ibero-americano
da IE Business School


• A premiação tem como objetivo destacar a relevância dos meios de comunicação na difusão da cultura econômica na sociedade;

• O melhor trabalho jornalístico receberá 10 mil euros e será veiculado em jornais, revistas, blogs, web, rádio ou televisão sob o tema ‘”inovação”;

• Além disso, a Fundação Codere entregará um prêmio de honra no valor de 2,5 mil euros ao melhor trabalho jornalístico sobre “Inovação na indústria do entretenimento, ócio e turismo”;

• Inscrições já estão abertas e acontecem até março de 2011.

A Fundação Codere, organização que articula atividades orientadas ao estudo, análise, desenvolvimento normativo e evolução da indústria de entretenimento e jogos, patrocina o I Prêmio de Jornalismo Econômico Ibero-americano, organizado pelo Instituto de Empresa (IE Business School). O concurso tem com o objetivo reconhecer o trabalho de difusão da cultura econômica nos meios de comunicação social (jornais, revistas, blogs, web, rádio ou televisão).

Nesta primeira edição serão analisados os projetos relacionados ao tema "Inovação", dada a importância que este tipo de informação vem conquistando na mídia, como reflexo do dinamismo da cultura empresarial e financeira da sociedade latino-americana.

O I Prêmio de Jornalismo Econômico Ibero-americano reconhecerá a melhor obra jornalística nesse âmbito e distinguirá o trabalho do meio de comunicação regional, em qualquer plataforma, por seu destaque na difusão da informação econômica.

A Fundação Codere, patrocinadora do Prêmio, também entregará um prêmio de honra no valor de 2,5 mil euros ao melhor trabalho jornalístico produzido sob o tema “Inovação na indústria do entretenimento, ócio e turismo”.

O júri

O júri será composto por personalidades de renome na área empresarial e da Administração Pública, bem como de profissionais do meio acadêmico e jornalístico. Um deles é Santiago Iñiguez de Onzoño, presidente da IE Business School, que presidirá o júri. Também participam José Ignacio Cases, vice-presidente da Fundação Codere, e Dolores Pujol, editora-chefe do Yahoo! Argentina, como patrocinador e colaborador, respectivamente. Completam o rol de jurados Nelly Gochicoa, coordenadora para a América Latina do Departamento de Desenvolvimento Humano, Educação e Cultura da Organização de Estados Americanos (OEA); Germán Jaramillo Roja, Diretor para a Europa da Confederação Andina de Fomento (CAF); Alberto Padilla, Jornalista da CNN; Claudio Paolillo, diretor jornalístico do semanário Busqueda (Uruguay) e membro do Comitê Executivo da Sociedade Interamericana de Imprensa e Victor Mallet, chefe do escritório de Madrid do Financial Times.

O resultado da premiação será anunciado em uma cerimônia que acontece em maio de 2011.

Detalhes da premiação
Serão julgados trabalhos jornalísticos publicados entre 1 julho de 2010 e 28 de fevereiro de 2011. O envio do material pode ser feito por meio da página da premiação (http://premioperiodismo.ie.edu), ou pelo envio de material ao escritório do I Prêmio de Jornalismo Econômico Ibero-americano – IE Business School no endereço: Calle Pinar 7 Bajo, 28006. Madrid (España) até o final de março de 2011. Não serão aceitas inscrições fora do prazo.

Sobre IE Business School
Fundado em 1973, o IE Business School é uma das principais escolas de negócios do mundo e é reconhecida por seu expressivo enfoque em inovação e empreendedorismo. A escola de negócios, com escritórios nos cinco continentes, conta com um corpo docente de 400 professores que lecionam suas especialidades a estudantes de 88 países em programas de doutorado e mestre de educação executiva.

Fundação CODERE
A Fundação Codere é uma organização sem fins lucrativos criada com a finalidade de para estruturar e coordenar as atividades voltadas para pesquisa, análise, avaliação, desenvolvimento de políticas e da evolução da indústria do jogo.

Sobre o Grupo CODERE
CODERE é uma multinacional espanhola, referência no setor de jogos privados na Europa e América Latina, que gerencia mais de 53 mil máquinas recreativas, 140 salas de bingo, 160 salas de apostas de esportes, 3 hipódromos e 6 cassinos na Argentina, Brasil, Colômbia, Espanha, Itália, México, Panamá e Uruguai.

Codere se tornou em outubro de 2007, a primeira empresa privada de jogo autorizada pela Comisión Nacional del Mercado de Valores (CNMV), que é o organismo encarregado pela supervisão e inspeção dos mercados de valores na Espanha, a ingressar com ações em bolsa de valores.

Site: www.codere.com.