domingo, 10 de abril de 2011

Para entender o caso da Líbia

Por Renato Pompeu

Fonte: Revista do Brasil, via Rede Brasil Atual (em 26/3/2011)

O país é formado por 140 tribos quase tão importantes quanto o governo. Há 40 anos no poder, o regime de Kadafi oscila entre capitular e hostilizar os interesses dos países ricos, liderados pelos EUA


Para entender a crise na Líbia, é preciso levar em conta que sua população nunca constituiu uma nação e até hoje é dividida em 140 tribos, na maioria arabizadas e islamitas sunitas, mas ainda restam nas montanhas a oeste populações berberes que falam sua língua original e são islamitas da corrente ibadita.

O país tem 1,7 milhão de quilômetros quadrados, perto de um quarto da superfície do Brasil, mas apenas 6,4 milhões de habitantes (cerca de 500 mil são imigrantes africanos), concentrados nas poucas cidades – como Trípoli, a capital, com mais de 1 milhão de pessoas –, espalhadas por um imenso deserto.

Embora tenha milhares de anos de história, o território líbio só muito recentemente passou a ser uma unidade política. Desde a Antiguidade, suas três regiões – Tripolitânia, Cirenaica e Fezzan – levaram vidas separadas. As duas primeiras só foram unificadas no século 16, pelo Império Otomano, e a elas o Fezzan se reuniu só no século 19. Nunca tiveram independência, tendo feito parte ainda dos impérios cartaginês, romano e árabe. Em 1911 as três regiões foram ocupadas pela Itália, e nos anos 1930 o nome Líbia foi dado a essa colônia italiana.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a partir de 1943, a Líbia foi ocupada por tropas britânicas e francesas, que ali instalaram um governo militar. Em 1951 foi proclamada sua independência, sob uma monarquia. Os recursos econômicos eram muito precários, pois a maior extensão do território era desértica. A Líbia vivia praticamente de doações de países ocidentais, em troca de permitir a permanência de tropas estrangeiras (as últimas saíram em 1966). Só em 1958 é que foi descoberto o petróleo, mas em menos de uma década seus rendimentos se tornaram altos. A monarquia do rei Ídris foi derrubada em 1969, num movimento militar liderado pelo jovem coronel Muamar Kadafi, então com apenas 27 anos. Com os dólares do petróleo, o regime de Kadafi subsidiou uma espécie de populismo redistributivo, a que foi dado o nome de socialismo.

Apesar de seu governo ter proclamado uma “democracia de base”, um tanto inspirada nos moldes soviéticos, ou, mais exatamente, nos vigentes em Cuba, o grosso da população se sente mais ligado à tribo de cada um do que ao governo. Não existiram, durante todo o regime do ditador, partidos políticos. São as tribos que proporcionam empregos e assistência social. Milenarmente, as 140 eram compostas de pastores de gado que se encarregavam também da proteção aos raros poços d’água no imenso deserto e aos caminhos das caravanas. Com o petróleo, a partir de 1958, algumas foram enriquecendo e cerca de 30 delas têm hoje importância política maior que as outras.

Essas últimas são as que migraram do deserto rumo ao norte, para as cidades, quase todas litorâneas, principalmente para Trípoli e Bengasi. A tribo de Kadafi, por exemplo, também chamada Kadafi, que antes se ocupava primordialmente da criação de cabras, instalou-se em Sirte, onde há um terminal marítimo de exportação de petróleo, e em suas vizinhanças.

A oeste, no entanto, ficou a maior tribo, a Wafalla, com perto de 1 milhão de integrantes. Desta é que tinha saído o rei Ídris, e seus membros nunca se conformaram com o domínio de Kadafi, a quem encaram com desprezo; na verdade, eles o veem como se fosse um criador de cabras que se tornou um novo rico. Como se consideram a nobreza da Líbia, logo aderiram ao movimento contra o ditador. Também se voltaram em massa contra ele as tribos mais a leste, como os Zuwaya, que sempre se julgaram discriminadas em seu governo.

Durante duas décadas, Kadafi tentou minar o poder das tribos, procurando substituí-las por estruturas sociais mais “modernas”. Mas, a partir de 1993, levando em conta o ditado “se você não pode vencê-los, junte-se a eles”, passou a consolidar ainda mais o poder delas, dando a seus chefes o controle sobre a distribuição de moradias e de vagas nas escolas, além de empregos – até então nas mãos dos “conselhos populares” implantados por Kadafi, os quais, por assim dizer, não “pegaram”.

Esse não foi seu único recuo; nos últimos anos se reaproximou do Ocidente. Seu socialismo esteve mesclado a um nacionalismo pan-árabe e a uma estrita obediência aos preceitos islamitas, por isso mesmo tinha um forte viés anticomunista. Depois da guerra árabe-israelense de 1973, Kadafi liderou o movimento para reduzir as exportações de petróleo para os países ocidentais aliados de Israel. Como o Egito, em seguida, se aproximou de Israel, ele se afastou do regime do Cairo. No que restou dos anos 1970, teve de enfrentar numerosas tentativas de golpe de Estado, sempre fomentadas por tribos que se julgavam prejudicadas por seu governo.

Nos anos 1980, numerosos exilados líbios em países europeus foram assassinados, em crimes atribuídos aos serviços secretos de Kadafi. Também houve enfrentamentos com aviões e navios de guerra americanos no Golfo de Sidra, que o governo líbio considera águas territoriais e o dos Estados Unidos julga águas internacionais. Em 1988, agentes líbios foram acusados do atentado contra um avião americano de passageiros na Escócia, em que morreram 270 pessoas, e no ano seguinte contra um avião francês, também de passageiros, no Níger, matando 170 pessoas. Instado a entregar a um tribunal internacional suspeitos identificados como participantes desses atentados, Kadafi se recusou – e a Líbia passou a figurar nas listas de países envolvidos com o terrorismo feitas pelos Estados Unidos e pela Europa Ocidental, chegando a sofrer sanções da ONU e também sanções unilaterais americanas.

Em 1999, Kadafi fez uma mudança tão radical em suas relações internacionais quanto a que fizera nas relações com as tribos. Entregou a um tribunal internacional os suspeitos do atentado ao avião na Escócia, o que levou a ONU a suspender suas sanções, e em 2003 concordou em pagar US$ 2,7 bilhões em indenizações às famílias das vítimas e ainda renunciou a ter armas químicas, biológicas e nucleares, obtendo também a suspensão das sanções americanas. O socialismo tribal de Kadafi passou então a conviver com capitais estrangeiros – até que, a partir de fevereiro último, uma juventude antiautoritária se revoltou, somada às tribos que já não eram simpáticas ao regime, insurgindo-se para derrubá-lo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário