terça-feira, 6 de setembro de 2011

Artigo: é preciso convencer com raciocínio lógico

Nas aulas de técnicas de redação no Jornalismo Opinativo, estamos começando a estudar os artigos. Lição No. 1 - é texto opinativo, de raciocínio lógico, escrito por alguém que entende do assunto. A principal característica é opinar, argumentar e convencer - que o raciocínio faz sentido.
Leia o texto abaixo, publicado na Folha da Região de hoje (06/09) e responda: Está convencido? A tese e os argumentos fazem sentido? Como contra-argumentar?

O PT e a MORDAÇA
Por Iranilson Alves da Silva

O PT quer acabar com a liberdade de expressão e de pensamento! Reunidos neste final de semana, líderes do PT, incluindo Lula e Dilma, discutem impor uma mordaça na imprensa livre. Eles afirmam que querem “apenas regulamentar a mídia contra excessos...” Na verdade, desde que assumiram o poder em 2003, os petistas se incomodam com a imprensa livre. Querem calar Veja, Globo, Folha, Estadão. Este é o objetivo.
A desculpa esfarrapada é de que estes grupos são dominados por poucos e que a comunicação social é uma empresa, e como tal o segmento deve ter uma regulamentação, ou seja, um controle externo. Petistas estão impondo uma clara violação ao texto constitucional que, em seu art. 5.°, IV,VI, VIII, IX, garante a liberdade de expressão, liberdade de imprensa, opinião e pensamento, um dos mais caros pilares que sustentam uma democracia séria e responsável.
O chefe José Dirceu, cassado por corrupção como “cabeça pensante” do “Mensalão”, foi aplaudidíssimo, mais que o próprio Lula e a presidente Dilma. Nem poderia ser diferente. A maioria dos grandes e históricos líderes petistas está envolvida em variados escândalos.
Esse caminho perigoso que o PT quer trilhar pode levar o país a um confronto que pode ir além das ideias, teses e palavras. A imprensa tem sido nos últimos 30 anos responsável por desnudar, trazer à luz os mais sombrios escândalos e roubalheiras praticados pela classe política brasileira. Quase que semanalmente revistas, jornais e emissoras de TV, notadamente a Globo, trazem à tona denúncias graves.
Desde o “impeachment” de Fernando Collor, semanalmente o país é brindado com denúncias de algum escândalo envolvendo altos cardeais do governo. Só este ano, caíram quatro ministros de Estado, muitos altos diretores e funcionários dos ministérios graças às denúncias da imprensa. É justamente por essa razão que o PT quer silenciar, quer amordaçar não só os grandes grupos midiáticos como seus mais expressivos profissionais.
E não nos surpreende esta posição adotada por um partido cujo líder maior, Lula, nutre elevada admiração, simpatia e amizade por aquilo que de pior existe em matéria de ditadores sanguinários de plantão pelo mundo afora.
Querem impor ao Brasil uma ditadura do silêncio, querem controlar a mídia para que possam se locupletar às escâncaras. A única trincheira da liberdade e do direito que os cidadãos brasileiros podem confiar é a imprensa livre, na livre manifestação. É isso que incomoda o Palácio do Planalto, incomoda o PT e seus aliados.
Desde o início do governo petista no Brasil em 2003, a corrupção, a bandalheira, o assalto aos cofres públicos, desvio de conduta têm sido a marca preponderante e ativa nas manchetes jornalísticas deste país. José Dirceu, homem da confiança de Lula que até hoje tem a desfaçatez, a cara de pau de afirmar que o escândalo do “mensalão” foi uma farsa, punido e cassado, agora é reintronizado, perdoado e volta ao seio do partido.
Como o povo de uma maneira geral tem memória curta, tudo foi varrido para debaixo do tapete, e não se iludam se nas próximas eleições ele não voltar ao Congresso, assim como seus outros iguais como Genoino, João Paulo Cunha, Mentor e outras figuras de triste memória.
É uma vergonha que o PT tenha coragem de num congresso da agremiação, entre tantos assuntos de relevância, por meio de suas mais expressivas figuras, defender o controle da mídia, defender a mordaça, a ditadura do silêncio. Violar uma das cláusulas pétreas mais caras da Constituição desta República soa como um verdadeiro golpe de Estado, uma traição ao povo e às instituições democráticas vigentes. O povo, a imprensa, a oposição precisa estar atenta. O preço da liberdade é a eterna vigilância e temos que estar vigilantes.
O ex-presidente e sua sucessora agem como se vivêssemos numa dessas republiquetas de bananas como se o povo fosse alienado, imbecil! Agem como se estivessem numa Bolívia qualquer, numa Venezuela ou Honduras! Nem se completou um ano de mandato e já fala em governar por oito anos! Será que o PMDB de Michel Temer concorda com essa bravata?

Iranilson Alves da Silva é jornalista e acadêmico de Direito, Araçatuba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário